Pesquisar

Sem previsão: empresa que faria conserto de elevadores da Cidade Administrativa abandona contrato

Nesta terça-feira (16), o governo de Minas Gerais anunciou que a empresa selecionada para manutenção dos elevadores na Cidade Administrativa desistiu do contrato alegando “dificuldades internas em cumprir as obrigações estipuladas”. Ainda não há previsão de contratação de uma nova empresa e da finalização da obra.

Devido à urgência para realização dos reparos, o governo de Minas contratou a empresa sem licitação, uma vez que as demais propostas recebidas pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MG) não atendem mais às necessidades da administração, conforme indicado pela pasta.

“Dessa forma, considerando a importância de se garantir agilidade na execução do serviço, e mantendo o compromisso com a segurança dos servidores e visitantes do complexo, a Seplag-MG decidiu por encerrar o referido processo de contratação, visto que as demais propostas, dado o momento atual e o tempo disponível para conclusão dos serviços, segundo a legislação, não se mostram mais compatíveis e, portanto, não atenderiam às necessidades elencadas pela administração pública”, disse a Secretaria em nota.

As providências para viabilizar a retomada dos elevadores já estão em andamento, conforme informou a Seplag, que também declarou que as medidas estão seguindo os trâmites de segurança exigidos pela Administração Pública.

“A Seplag-MG reitera que todos os procedimentos, desde a constatação da falha no funcionamento dos elevadores, seguem tendo como objetivo primeiro a segurança dos servidores e visitantes da Cidade Administrativa. Importante ressaltar, assim, que as medidas necessárias, que estão sendo priorizadas pela Seplag-MG, devem obrigatoriamente seguir os trâmites exigidos pela Administração Pública e estar em consonância com a legislação vigente, considerando o caráter urgente das intervenções”, completou a nota.

Entenda o caso

Desde novembro de 2023, os elevadores do Prédio Minas estão inativos devido à detecção de falhas técnicas. Em março, um estudo encomendado pelo governo destacou a necessidade de obras de reforço e restauração estrutural após anomalias que resultaram no colapso de pilares metálicos.

De acordo com o laudo feito à época, foram constatadas diversas inconformidades na fixação dos pilares metálicos dos contrapesos com as vigas da edificação, ausência de apoio na base, provocando o aumento da sobrecarga dos parafusos de fixação nas vigas; indícios de fragilidades em elementos estruturais, manchas, alteração de cor, desplacamentos, sinais de corrosão, desgastes, falta de uniformidade e espaço vazio entre a viga de concreto da estrutura do prédio e os pilares metálicos dos contrapesos

No dia 4 de abril, a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MG) anunciou que as intervenções deveriam ser concluídas até junho, possibilitando a utilização dos elevadores pelos servidores e visitantes da secretaria.

Entretanto, nesta terça-feira, a pasta informou que a empresa selecionada por emergência para realizar os reparos necessários “abandonou o compromisso de assinar o contrato”.

Os problemas identificados nos equipamentos estão ligados a falhas na construção do complexo, sede do governo de Minas Gerais, inaugurado em março de 2010, de acordo com informações do estado. O custo estimado para os reparos é de R$ 20 milhões.

O Executivo anunciou que iniciará um Processo Administrativo Punitivo (PAP) para investigar irregularidades nas obras, que já foram objeto de investigações anteriores.

Morte de servidor

Em novembro de 2023, um servidor de 66 anos faleceu após passar mal ao subir vários lances de escada do prédio Minas, que está com os elevadores fora de serviço.

De acordo com amigos, Marcos Tadeu utilizou um elevador privativo, que ainda está operacional, para chegar ao sétimo andar do prédio e, em seguida, subiu até o 13º andar pelas escadas. Chegando no andar, onde está localizada a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), ele sofreu um mal súbito.

O governo informou que Marcos foi prontamente atendido por médicos da SES-MG que estavam presentes no local, incluindo o secretário da pasta, Fábio Bacheretti, mas infelizmente não resistiu.

Compartilhe nas suas redes sociais:

Lorena Cordeiro

Lorena Cordeiro

Jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Repórter no Portal Bem Minas desde 2020 nas editorias Meio Ambiente, Mineração e Energias Renováveis.

Mais artigos de Lorena