Pesquisar

Fusões e aquisições em energias renováveis movimentam R$50 bilhões em 10 anos

As informações constam no ‘Panorama de M&As no setor de energias renováveis’ feito pela empresa.

Segundo um levantamento realizado pela consultoria Clean Energy Latin America (Cela) e divulgado na última terça-feira (26), os negócios envolvendo fusões e aquisições no segmento de energias renováveis alcançaram a marca de aproximadamente R$50 bilhões nos últimos 10 anos no Brasil. A Cela é especializada em assessoria financeira e consultoria estratégica no setor de energia renovável em todo o mundo.

Com base em pesquisas e colaborações dos principais participantes dos mercados de energia solar fotovoltaica e eólica no país, o relatório revela que mais de 50 GW de projetos e corporações foram identificados e transacionados entre os anos de 2014 e 2023. As informações constam no ‘Panorama de M&As no setor de energias renováveis’ feito pela empresa.

No total, a CELA examinou mais de 190 transações envolvendo empresas e projetos relacionados à energia solar fotovoltaica e eólica, abrangendo desde grandes usinas centralizadas até empreendimentos de geração distribuída de médio porte (até 5 megawatts). Durante os quase 10 anos, o aumento anual no número de transações identificadas foi superior a 400%. Além disso, houve um crescimento de mais de oito vezes na capacidade total (GW) negociada.

Apenas nos últimos dois anos, de 2022 a 2023, foram registradas mais de 60 transações, totalizando cerca de R$25 bilhões em investimentos e uma capacidade de negociação de 30 GW.

Confira aqui o documento completo.

Para Camila Ramos, CEO da Cela, o avanço das mudanças climáticas e as discussões em torno do tema, como visto na COP28, em 2023, podem ser as principais causas para o crescimento do setor de energias renováveis.

“Sempre soubemos que os riscos climáticos estavam presentes, mas o que fazer agora? Com o Acordo de Paris e as metas de net zero até 2050, o que vemos é um movimento crescente em diferentes setores na busca de redução das emissões. As energias renováveis têm um papel importante neste contexto”, disse. 

“Nosso principal objetivo é orientar análises estratégicas de negócios, fornecendo informações para tomadas de decisão assertivas no mercado de energias renováveis” explica a CEO.

De acordo com ela, os leilões de energias renováveis são algumas das ações dos governos que ajudaram a popularizar as energias renováveis no país.

“A análise do total de transações realizadas anualmente por fonte de energia e ambiente regulatório mostra claramente que os últimos nove anos registraram presença crescente de M&As. Destaca-se a presença mais intensa da geração centralizada de 2014 a 2019, o que se deve, em parte, às iniciativas governamentais voltadas para a popularização das energias renováveis no País, como os leilões de energia renovável”, acrescentou.

Para Camila, os investidores estão cada vez mais conscientes de que as empresas que operam no setor de energia renovável representam uma alternativa importante para diversificar seus negócios. 

Energias renováveis

As energias renováveis são fontes de energia que se regeneram naturalmente e são consideradas inesgotáveis a uma escala humana de tempo. Essas fontes incluem energia solar, eólica, hidrelétrica, biomassa e geotérmica. 

Ao contrário dos combustíveis fósseis, como carvão, petróleo e gás natural, que têm um impacto ambiental significativo e estão sujeitos a esgotamento, as energias renováveis são mais sustentáveis e têm menor impacto ambiental durante sua produção e utilização. 

Elas desempenham um papel crucial na transição para uma matriz energética mais limpa e na redução das emissões de gases de efeito estufa responsáveis pelo aquecimento global. Além disso, as energias renováveis têm se tornado cada vez mais competitivas em termos de custo, tornando-se uma escolha economicamente viável em muitas regiões do mundo.

No Brasil, as fontes desempenham um papel cada vez mais importante na matriz energética do país. A abundância de recursos naturais, como sol, vento e água, permite o desenvolvimento de uma ampla gama de fontes renováveis.

Compartilhe nas suas redes sociais:

Lorena Cordeiro

Lorena Cordeiro

Jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Repórter no Portal Bem Minas desde 2020 nas editorias Meio Ambiente, Mineração e Energias Renováveis.

Mais artigos de Lorena