Search

Empresa Boston Metal inaugura unidade para transformar resíduos de mineração em metais nobres em Minas Gerais

metais nobres em Minas Gerais

A empresa tem como foco a produção de metais de alto valor, como o nióbio e o tântalo, que são utilizados em diversas aplicações de alta tecnologia, incluindo baterias para veículos elétricos e dispositivos eletrônicos avançados.

Nesta quinta-feira (07), a Boston Metal, empresa sediada nos Estados Unidos, abriu sua nova planta em Coronel Xavier Chaves, próximo a São João del-Rei, na região dos Campos das Vertentes. A unidade de demonstração tem como objetivo produzir uma tecnologia inovadora que converterá os resíduos da mineração em minas de extração de metais preciosos e fornecerá insumos para a produção de aço sustentável.

A empresa acredita que só em 2024 devem ser produzidas 720 toneladas de metais nobres. Além disso, o projeto deve gerar 250 empregos até 2026 e conta com o investimento de R$ 573 milhões tanto na unidade de demonstração quanto na criação de uma planta com escala comercial, projeta-se chegar a 10 mil toneladas de metais obtidos por meio de rejeitos anualmente.

Na unidade de demonstração, que será inaugurada, haverá uma célula de eletrólise com capacidade de 2,5 kilamperes (KA), enquanto na planta comercial serão instaladas 22 células de 50 KA cada.

A unidade, que é a primeira planta industrial e comercial da empresa no mundo, visa extrair, por meio da eletricidade fornecida pela Cemig, metais como nióbio e tântalo dos resíduos de mineração. Estes metais possuem alto valor de mercado e são essenciais em tecnologias avançadas, como baterias modernas utilizadas em veículos híbridos e elétricos. Com a transformação dos resíduos, se torna menos necessária a abertura de novas minas apenas para produzi-los.

A atividade emprega uma tecnologia conhecida como Eletrólise de Óxido Fundido que não emite CO2 durante a ação. No processo elétrico, os rejeitos são transformados em estado líquido, e a parte desejada é depositada no fundo de um recipiente.

Contudo, o procedimento não diminui tão significativamente o lixo gerado pela mineração. Isso acontece porque, ainda que use os rejeitos para criar outros minerais, a concentração é muito baixa. Para uma porção de metais é necessário 20 vezes a mesma quantidade de rejeitos. Além disso, após o processo de extração os rejeitos voltam a ser de responsabilidade da mineradora. 

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), esteve na inauguração e comemorou o firmamento do negócio, que havia começado em 2023, quando o governador assinou o protocolo de investimento nos Estados Unidos.

“Estamos iniciando aqui um novo ciclo de mineração de metalurgia no Estado. O que conhecemos até hoje é a extração de metais de grandes minas utilizando combustível fóssil. O que estamos vendo aqui hoje é o início do que eu poderia chamar de mineração 4.0”, disse. 

Boston Metal 

A Boston Metal é uma empresa de tecnologia com sede nos Estados Unidos, que tem como objetivo revolucionar a indústria de metalurgia. Fundada em 2012, a empresa desenvolveu uma tecnologia inovadora chamada Eletrólise de Óxido Fundido (MOE, na sigla em inglês) para produzir metais de alta pureza de forma mais eficiente e sustentável. A empresa conta com apoio de grandes grupos como Microsoft, ArcelorMittal, IFC e Vale.

A tecnologia da Boston Metal permite a produção de metais de alta qualidade diretamente a partir de óxidos metálicos, eliminando a necessidade de processos tradicionais que são intensivos em energia e frequentemente geram emissões de carbono. Isso torna a produção de metais mais limpa e menos prejudicial ao meio ambiente. 

A empresa tem como foco a produção de metais de alto valor, como o nióbio e o tântalo, que são utilizados em diversas aplicações de alta tecnologia, incluindo baterias para veículos elétricos e dispositivos eletrônicos avançados.

Compartilhe nas suas redes sociais:

Lorena Cordeiro

Lorena Cordeiro

Jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Repórter no Portal Bem Minas desde 2020 nas editorias Meio Ambiente, Mineração e Energias Renováveis.

Artigos em alta